A Mãe do Autista

A Mãe do Autista
...Investi tudo naquele olhar...Tantas palavras num breve sursurrar...paixão assim não acontece todo dia!

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Microduplicação do Cromossomo 9

                                      
Nos últimos cinco anos ando em romaria pelos médicos buscando uma resposta, mergulhada em pesquisas, leituras, conversas pra entender o que teria o meu filho, qual a causa, etc.
Nessa altura a cura já não seria o meu objetivo, mas saber se há algo a mais que poderia fazer para melhor sua qualidade de vida.

O que sempre me intrigou agora que ele tem sete anos era essa dicotomia que virou o caso, pra uns, autista pra outro um surdo com TDHA.

Eu como mãe vejo que ele se encaixa nas três coisas, mas mesmo assim era algo novo estranho, se o autismo tem esse problema na comunicação, meu filho dia a dia ia usando Libras (linguagem de sinais de surdos) para se comunicar e isso que era o grande enigma de tudo.

Procurei o consultório do DR Jorge Barbato, que  conhecia das palestras dos encontros anuais de X-Frágil, e a esposa ser uma pesquisadora da genética, eu quis ir além e descobrir se dentro da genética haveria algo a mais.

Ao relatar a história de vida do Gui, e a observação dele ali no consultório, relatou que qdo me viu entrar com ele pensou ser mais um caso de autismo clássico, mas aos poucos vendo que ele buscava o olhar para se comunicar, tentava interagir com sons e aos sinais de Libras, ele dizia estar diante de algo novo, que nunca visto alguém com características autistas, porém sem coisas que são clássicas no autismo.

Relatei algumas histórias de família, desconfianças de situações que tinha visto ou ouvido das famílias,de palestras de genética  e ele sugeriu uma investigação genética mais profunda, e eu topei na hora porque era tudo o que estava buscando e o plano cobriria. Lembrando que eu já havia feitos outros primeiros exames de genética, X-Fragil,etc e nada detectou.

 Vou colocar alguns trechos do exame com intuito ilustrativo, até para algumas pessoas terem noção de como é esse exame, como ele vem escrito. Foram quatro meses de espera sem fim e o resultado ali estava na *HIBRIDIZAÇÃO GENÔMICA POR MICROARRAY, que é o nome desse exame:

INDICAÇÃO CLÍNICA: Autismo.
“RESULTADO: Na amostra de DNA de Guilherme foi identificado microduplicação do cromossomo 9 na região q34.3 com 218 Kpb . Nesta região foram identificados alguns genes (OMIM) que podem justificar parcialmente o quadro clínico do paciente (ver comentários).
Nomenclatura ISCN: arr[hg19] 9q34.3(139,885,077-140,103,893)x3”
Sobre a microduplicação 9q34.3:
A análise por microarray identificou em Guilherme um ganho de 218 Kbp no cromossomo 9 na regiãoq34.3 na posição linear 139,885,077-140,103,893.
No banco de dados DECIPHER foi identificado um paciente na mesma posição linear (números: 278258) identificada em Guilherme. Os fenótipos apresentados foram: atraso de desenvolvimento global, hipotonia,estrabismo, difícil interação social.
Na região microduplicada foram identificados 21 genes, listados abaixo, dos quais, destacamos o gene GRIN1 que na literatura corresponde a deleção, e não duplicação. Por considerarmos um gene importante, foi citado neste laudo: gene GRIN1 (*138249) que é caracterizado como um receptor de glutamato envolvido no mecanismo de plasticidade das sinapses (Hamdan F.F. et al. "Excess of the novo deleterius mutations in genes associated with glutamatergic systems in non syndromic intellectual disability" Am.J.Med. Genet.88:306-316, 2011). Este gene está relacionado quando deletado com a Síndrome MRAutossômica Dominante (#614254).
Outro gene considerado importante nesta região é o NPDC1(*605798), possui papel importante no crescimento, proliferação e diferenciação neuronal : Maccarrone G, Psychiatric patient stratification using biosignatures based on cerebrospinal fluid protein expression clusters. J Psychiatr Res. Nov;47(11):1572-80, 2013. Os genes identificados na região duplicada são__ C9orf42, CLIC3, ABCA2, FUT7, C9orf39,NPDC1, ENTPD2, SAPCD2, UAP1L1, MAN1B1-AS1, MAN1B1, DPP7,GRIN1, MIR3621, LRRC26,TMEM210, ANAPC2, SSNA1, TPRN, TMEM203, NDOR1.

Devido ao achado estar envolvido com alguns genes importantes, é sugestivo a investigação genômica dos pais de Guilherme para determinação do padrão de herança (de novo ou herdado).
Futuramente este achado deverá ser reavaliado na literatura científica.

O que ficou esclarecidíssimo pra mim foi o fato de realmente haver alguma coisa genética nessa história, apesar de o banco genético encontrar somente um indivíduo com o algo no cromossomo 9, ali aparece como características semelhante ao meu filho o  atraso de desenvolvimento global,  difícil interação social. Que vamos superando a cada dia e com sucesso!!!


Perguntei ao médico rapidamente se os casos de autismo que apareciam ali na maioria estavam ligados ao cromossomo 9, e não, citou os que mais apareciam, infelizmente esqueci , mas recupero assim que voltar la.
E Como ele avaliou antes do resultado do exame, estávamos adiante de algo novo!

Eu diria talvez de uma síndrome rara, que sim além de todas as características próprias, também possui características autísticas, não seria de todo um autismo clássico.

Fiquei pensando se a surdez não seria uma consequência, dessa síndrome, porque qdo bebê pronunciou as primeira palavras, mamã, papá, au au; a surdez profunda foi acusada somente no segundo BERA.
E tbém  pensei de qtos  autistas poderiam ter essa síndrome do cromossomo 9 e serem surdos e “não querer simplesmente  não se comunicar”.

O que vai mudar daqui pra frente?

Nada!

O tratamento segue igual, os medicamentosos e terapias são as mesmas.

O que mudou em mim? Muitas coisas, uma delas foi à comprovação genética, apenas não sei se veio da família do pai ou da mãe, até porque o exame custa em média três mil e poucos reais, para o casal sairia uns sete mil reais, não tenho condições financeiras pra isso; a Unimed cobriu o do Gui, ele tem plano de saúde. Esse cromossomo também pode não ter sido herdado, pode ter partido de uma mutação só do Guillermo.

O melhor saber que é genético, e com certeza cada caso é um caso, cada autista é impar e pode sê-lo por várias circunstancias; porém no meu caso em especial; tira o peso de ver o meu filho se deliciando com um pedaço de pão, sorvete, numa festinha comendo um brigadeiro; tira o peso que às vezes tinha qdo pensava que poderia estar intoxicando meu filho com comida.

O que eu poderia falar sobre esse resultado, quem tivesse oportunidade de fazer esse exame deveria fazer, principalmente se tiver plano de saúde, qto mais tivermos catalogados indivíduos com mutação genética e características de autismo, mais a ciência poderá avançar nas pesquisas e tratamento.
A vida segue bem feliz agora!

*O exame de hibridização genômica por microarray permite a leitura do genoma humano,podendo ser analisado por vários tipos de plataformas. A técnica permite investigar simultaneamente milhares de sequências genômicas. A plataforma utilizada, AffymetrixCytoscan HD, é desenhada com a finalidade de detectar sequências do DNA, como:
Variação de Número de Cópias (CNV):perdas (microdeleções) e ganhos (microduplicações) de DNA; perdas de heterozigose (LOH); tão bem como áreas do genoma que possuem longos trechos contínuos de homozigose (LCSH) ajudando a detectar o aumento de risco para uma condição recessiva ou sugerir uma UPD (DissomiaUniparental).
Possui excelente especificidade, sensibilidade e alta resolução, permitindo identificar rearranjos cromossômicos não detectados pela análise cromossômica convencional. A técnica de hibridização genômica por microarray não detecta:poliploidia, alterações cromossômicas equilibradas, inversões ou inserções, alterações de DNA mitocondrial,mutação de ponto e alterações cromossômicas em mosaico com freqüência inferior à 30 %.
O resultado é analisado com uma resolução de 200 Kpb para ganhos e 150 Kpb para perdas genômicas. As regiões de homozigose são reportadas quando um LCSH é maior de 5 Mb ou quando a proporção total de LCSH autossômico é maior que 3%. A posição genômica linear é dada relativa ao NCBI-37 (hg19) com base no GenomeReference Consortium GRCh37 de Fevereiro de 2009 (GRCh37/hg19) e emitido de acordo com as Normas do ISCN (2013): AnInternational System for HumanCytogeneticNomenclature, Shaffer et al (eds); Karger, Basel,
2013.
Todos os dados obtidos na análise são pesquisados em bancos de dados : ISCA (InternationalStandart for CytogenomicArray Consortium), DECIPHER (Database ofChromosomalImbalancesandPhenotype in humans), DGV (Database ofGenomicVariants) e OMIM (Online MendelianInheritancein Man) CAGdb (Cytogenomics array group CNV database). Os bancos de dados citados são atualizados periodicamente.







2 comentários:

  1. Obrigada por compartilhar sua vida conosco!
    Olha, em 2013, houve pesquisas científicas concluídas nos EUA, indicando q o componente genético do autismo pode ter acontecido durante a gravidez, provocado por "fatores ambientais". Hoje em dia se sabe também q nossa dieta influencia nossos gens. Por isso não devemos cruzar os bracos só porq existe um componente genético...Vou te dar uma sugestão....procura o livro da Claudia Marcelino "Autismo esperanca pela nutricão"... Hoje em dia tem muita gente recuperando criancas autistas com dieta e suplementacão, principalmente no exterior... Quando precisei de informacão a respeito, p meu filho, nunca achava nada no Brasil; a sorte é q falo inglês, senão não teria sido capaz de recuperar meu filho, hoje com 5 anos, teve alta da psicóloga e fono, todos dizem q afinal era só um "atrazo"...Mas só EU sei tudo q tive q fazer...Minha dieta foi um pouco diferente da Claudia Marcelino, porq moro no exterior, mas a dela também é ótima, e tem página do livro no Facebook, cheia de artigos das últimas novidades científicas... Passa por lá.
    Um abraco,
    Claudia M Gaeta

    ResponderExcluir
  2. Nossa, me identifiquei muito com a sua história. Também estou nessa jornada, ainda tentando realizar os exames genéticos. Minhas princesa completará 3 anos agora em Janeiro.
    Ainda estou buscando o diagnóstico...

    ResponderExcluir