...Investi tudo naquele olhar...Tantas palavras num breve sursurrar...paixão assim não acontece todo dia!

sábado, 15 de maio de 2010

Importância de um Diagnóstico Precoce.


As famílias que passaram pelo labiríntico diagnóstico de Autismo, sabem a romaria que é para diagnosticar a criança.

Atualmente, quando lembro os sinais precoces do Guillermo, penso que eram tão evidentes tão óbvios.
Digo isso agora, porque vivo lendo e estudando e talvez pudesse reconhecer alguns indícios em alguma criança no momento.

São “nos dois primeiros anos de vida, que temos que estar mais atentos a possíveis sinais de risco de autismo. Esses indícios não são, necessariamente, sinais de autismo. Algumas características podem aparecer tanto no bebê autista, quanto em outras crianças que não são autistas.”


Segundo Carolina Lampreia: Por exemplo, o bebê autista não aponta para mostrar algo. Esse é um dos comportamentos que permitem diferenciar autismo de retardo mental. Por que ele não aponta para mostrar? Porque ele não está interessado na outra pessoa. Quando o bebê típico mostra algo, ele quer compartilhar o interesse dele com outro ser humano, o que envolve afeto. O bebê autista pode até apontar para pedir, mas não aponta para compartilhar um interesse porque o adulto não tem um significado afetivo para ele. Mas é importante frisar que o autismo envolve um espectro, uma ampla gama de perfis clínicos de acordo com o grau de severidade. Por isso, sempre será possível, em casos mais leves, encontrar crianças autistas que apontam para mostrar, mas não é o usual.


Devemos exigir quanto pais e cidadãos, um maior comprometimento nas questões de políticas públicas na área de Autismo, principalmente em relação a diagnóstico precoce; os pediatras dos postos de saúde por exemplo, que lidam com a grande população, deveriam estar mais preparados para essa e tantas outras questões.
E realmente tudo esta ligado a informação, que é o que falta para nós professores e pediatras que são os primeiros a ouvirem as primeiras desconfianças dos pais.

Muitas crianças só serão diagnosticada em idade escolar (qdo for), quando aparecerão as primeiras dificuldades. Alguns especialistas inclusive afirmam ser tarde demais.Eu particularmente acho uma afirmação muito pesada, pois acho que nunca é tarde. Porém quanto mais cedo for diagnosticado a criança autista, mais cedo a intervenção e os progressos serão outros.

Quais os Sinais do Autismo?

Segundo a Associação Portuguesa para as Pertubações do Desenvolvimento e Autismo; Um diagnóstico seguro de Autismo é geralmente feito pelos 3 anos de idade. Aos 18 meses é já possível detectar nestas crianças um conjunto de características, cuja presença é um indicador bastante seguro de perturbação autística.

Sinais de Alarme
(A pesquisar na avaliação da criança aos 18 meses)

•Isolamento – falta de interesse pela relação com os outros;
•Ausência de jogos de imitação – dizer adeus; mandar beijos …
•Ausência do jogo do faz de conta – o brinquedo não é usado na sua função simbólica;
•Ausência da atenção partilhada – não chama a atenção do outro para objectos ou acontecimentos, não mostra dói-doi e nem vai mostrar um brinquedo;
•Ausência de apontar protodeclarativo – não usa o dedo para apontar no sentido de partilhar interesse/mostrar alguma coisa;
•Apontar protoimperativo – usar o dedo para apontar mas com o objectivo de pedir/exigir algo. Pode estar presente.

Sinais inespecíficos mas preocupantes
(Podem estar presentes desde o nascimento)

Até aos 18 meses:

Por vezes podem ocorrer:

•Alterações alimentares (dificuldades de sucção, recusa do seio/biberão, anorexia e vómitos);
•Alterações do sono (insónia);
•Choro persistente (“bebé terrível”) ou ausência de choro (“bebé modelo”, especialmente se deixados sós);
•Apatia (indiferença ao que rodeia);
•Ausência de comportamentos de ligação:
◦Contacto visual (não comunicam pelo olhar – olhar fugidio e evitamento do olhar)
◦Não manifesta desejo de ser pegado ao colo (estender os braços e sorrir)
◦Não responde com um sorriso do outro;
•Perturbações do tonus (é difícil pegar nestes bebés são rígidos ou moles, não se moldam ao corpo);
•Não manifestam medo de estranhos (como acontece geralmente com bebés sem problemas pelos 6-8 meses);
•Vocalizações muito pobres ou inexistentes;
•Respostas inconsistentes aos sons (surdez aparente);
•Movimentos estereotipados (balanceio do corpo, abanar a cabeça, posições bizarras não usuais noutras crianças);
•Estes bebés parecem mais satisfeitos se deixados sós e mantendo o ambiente inalterado


Sinais do Guillermo Bebê

Prisão de ventre 15 dias- com uns 4 meses mais ou menos ele ficou 15 dias sem evacuar, tive que levar ao hospital para fazer uma lavagem.

Não era chorão,chorava pouquíssimo, ”um santo bebê”.
Não dava importância para o mobile do berço.

De um ano a 2 +ou-

Olhava para o ventilador do teto ao invés a TV, por exemplo.

Bater cabeça, ele tinha o hábito de bater a cabeça no chão ou nas paredes mas muito leve, nada que fosse pra doer. Eu até pensava que ele fazia isso pra testar as texturas, da parede , chão, etc.


Saltar balançando a cabeça de uma lado ao outro -como ele tinha um colchão de molas no berço, ele dava saltos (vertical) e ao mesmo tempo virava a cabeça de uma lado para outro(horizontal).Ele adorava fazer isso. Fazia muita vezes por dia.E cada vez mais alto e mais forte.

Assim que começou a andar escalava tudo dentro de casa, com muita destreza e poucos tombos.

Tinha obsessão em mexer na televisão, qdo mais alto a colocava mais alto subia, tive que por num suporte de parede.

Não dormia,trocava sono.Ria, gritava, saltava madrugada a fora.

Virava o carrinho de bebê para brincar com as rodas, não brincava com nenhum brinquedo.

Tinha fixação por rodas dos carros.

Com um ano parou de falar e responder qdo chamávamos por ele.

Tinha muita cólica e gases até grande, sofreu muito, tive que fazer alguns ajustes na alimentação e parou totalmente.

Sempre tinha estratégias (raciocínio rápido) para fugas ou outras coisas, muito inteligentes para idade dele( todos diziam isso com espanto).
Alías parecia muito inteligente para idade dele, porém as coisas básicas de bebês da idade não fazia (dar adeus, mandar beijos,brincar com coisas da idade, etc).


E foi ai que vi que havia algo errado!Era inteligente demais, o que não era "normal" para idade dele!



3 comentários:

  1. Muito bem escrita e informativa essa sua postagem!
    Gostaria de saber se você me permite reproduzí-la indicando seu blog.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Encontro aqui na sua postagem algumas das sintomalogias do meu filho , que hoje já é um adulto, e só foi dignosticado, com este quadro de Autista de alto funcionamento/ síndrome Asperger em adulto.
    Comum deste seu texto, os problemas intestinais(prisão de ventre) durante os primeiros sete anos de vida. Só chorava na hora das cólicas.
    Conhecimentos acima da média, para idade falando da época de pequeno, que inicialmente o quadro foi de sobredotado inadapatdo.
    Marcado isolamento, não havia inter-accção com os pares, interesses restristos, balanços na altura ainda ligeiros, muito boa memória quer auditiva quer visual, bom especialmente com os números, emocionalmente não puxava para os abraços ou beijos, e hoje fico por aqui
    bjocas

    ResponderExcluir
  3. Adorei teu blog bastante explicativo. É IMPORTANTE ESTA TROCA. BJS!BJS!BJS!

    ResponderExcluir